Zero Point

zero_capa

ROTEIRO E DESENHOS
Agustin Graham Nakamura

FORMATO
21 x 27,7 cm

EDITORA
HQM Editora

CAPA
Lisboa Editorial

200 páginas

Desaconselhável para menores de 16 anos.

zero_capa_aberta

RESENHA
“Zero Point chegou para reviver o gênero de ação, seus assassinos de aluguel, suas máfias, as armas automáticas e as garotas fatais. Fazia falta uma graphic novel como esta nas histórias em quadrinhos atuais.”

BIRD é um ASSASSINO DE ALUGUEL, dos melhores, se não o melhor. Mas BIRD quer abandonar seu trabalho, já que não deseja seguir os passos do seu mestre CROW, um MATADOR sanguinário e sem piedade. Há anos BIRD realiza missões para a polícia local, fazendo seu trabalho sujo em troca de ter sua ficha limpa.

Quando está a ponto de finalmente conseguir o que quer, algo sai mal: pela primeira vez ele falha. Outro MATADOR fica entre ele e sua vítima, um chefe mafioso, assassinando-o antes que BIRD o faça. A partir daí tudo se complica. BIRD começa a suspeitar dos policiais que o contrataram, e enfrenta uma ameaça que jamais imaginou: pela primeira vez é colocado no papel de perseguido, e corre o risco de se tornar a vítima. Mas uma reviravolta ainda maior está por vir quando, no balcão de um bar, ele se encontra com o outro Matador.

Para surpresa de BIRD, trata-se de uma bela e jovem mulher. Seu nome é KAT.

Agustin Grahan Nakamura é ilustrador, animador e diretor. Nascido de pais japoneses e argentinos em 1980 em Rio Negro, Argentina, estudou direção de animação e mangá no Japão. Faz trabalhos freelance para agências de publicidade, estúdios de cinema e produtoras de animação e 3D. É diretor do curta-metragem “Fear” (2008), selecionado e exibido em importantes festivais internacionais de cinema e animação. Atualmente radicado na cidade de São Paulo, Zero Point é seu primeiro trabalho nos quadrinhos.

“Se existe algo que chama atenção em Zero Point é a capacidade de Graham Nakamura para narrar a violência, escolher o melhor enquadramento, o plano cinematográfico perfeito, a câmera subjetiva impossível. Zero Point chegou para reviver o gênero de ação, seus assassinos de aluguel, suas máfias, as armas automáticas e as garotas fatais. Fazia falta uma graphic novel como esta nas histórias em quadrinhos atuais.”

Diego Agrimbau
Roteirista